domingo, 17 de janeiro de 2010

Diversos







Este é um capítulo variado, mas vou iniciá-lo dando mais ênfase a uma das situações mais vulgares e constantes da rotina da farmácia: a ausência dos médicos e a necessidade dos medicamentos pelos doentes... Todos temos direito a férias, já que para isso trabalhamos o ano inteiro. Até aqui tudo certo!... O que não está certo é não existir substituição de médicos aquando da sua ausência, sejam férias, doenças ou congressos! É que os doentes continuam a sê-lo, especialmente aqueles que têm doenças crónicas, e quando os medicamentos estão no fim, não existindo médico para passar a receita, só a farmácia os pode ajudar, "emprestando" os mesmos.

- Será que podia emprestar-me uma caixa daqueles comprimidos esquinudinhos para tomar em jejum? É que se me acabaram e só tenho consulta p`rá semana.

Moduretic - diurético e anti-hipertensor, os tais esquinudinhos...





Já certamente repararam que se escreve muito pelo som das palavras e aqui temos uma constatação. 1 cernim = Ulcermin
....

Xanax, Aulin, Kainever

Em qualquer das situações é muito delicada a nossa posição, pois trata-se de medicamentos que só podem ser cedidos mediante receita médica; mas conhecendo nós o doente e sabendo que é uma realidade a dificuldade de ter consulta para conseguir a receita, e que o facto de não tomar a medicação pode agravar o caso, como podemos ficar indiferentes?!?
Poucos são os médicos que têm o cuidado de receitar a quantidade necessária de embalagens até que o doente tenha nova consulta e aí é a farmácia que se vai debater entre ética e cumprimento de leis…
Mas não é sobre isso que eu quero escrever, pois cabe aos responsáveis da saúde zelarem pelo bom funcionamento dos seus centros de atendimento.
Para marcar uma consulta tem que se madrugar e respeitar o dia da semana em que isso acontece, não esquecendo que há um limite para as mesmas; portanto corre-se o risco de levantar às cinco da manhã e chegar à porta do centro de saúde da sua área de residência e já lá estarem mais pessoas que o número de marcações que serão feitas!
Estamos a falar de consultas que se conseguem programar, … porque se falarmos de urgências só nos SAP (Serviço de Atendimento Permanente) é que será possível sermos atendidos!

Uma curiosidade que já serviu para descobrir qual era o medicamento: Xanax, os comprimidos para dormir que se lêem tanto para a frente como para trás!..

Zovirax – creme para o herpes zoster

O médico regressa e, tal como prometido, lá vêm as receitas, agora com os medicamentos em duplicado para descontar os que já foram levantados na farmácia.

Senhor Dto aí mando esta receita para viár e pagar só que o Codaróne como vê são 2 enbalájeim mas é só para aviar uma, a hôtra já fôi aviáda é só para pagar aí lhe envio o papelinho que veio junto á enbalájem, hóbrigáda


Agora por favor “espeliquem-me” que eu não “presebo” o que queria esta cliente

É evidente que tivemos que adivinhar… Valeu-nos o facto de a doente ser conhecida e sabermos um pouco da sua história clínica para chegar à conclusão que o medicamento necessário era Cordarone.

A doente admitia a hipótese de substituir Gastridina, comprimidos para úlceras do estômago, por Dermestril, sistemas transdérmicos de substituição hormonal…Não entendemos qual a semelhança, mas foi devidamente esclarecida a diferença entre os dois medicamentos.

Situações de confusão com os nomes dos medicamentos são frequentes, principalmente quando as pessoas não sabem ler, ou quando são outros a fazer os “recados”.

Recordo o pedido insistente de uma senhora de uma embalagem de OMS comprimidos!...

Como tal nome não existe associado a qualquer especialidade farmacêutica e não tendo nada a ver com a Organização Mundial de Saúde, nem com qualquer Ordem Médica ficámos com um sério problema em mãos!

Depois de muita pergunta conseguimos saber que os comprimidos eram para o seu patrão, a caixa era branca com uma risca verde e que tinha um quatro…

Exactamente OMNIC 0,4 para problemas da próstata, como viemos a confirmar com o doente.

......

Quem sofre de enxaquecas, de certeza já desejou que acontecesse o milagre da dor desaparecer de um momento para o outro, daí talvez a troca do nome… Milagreve em vez de Migraleve!

Presumo que tanto o Migraleve como o Migrétil, também para as enxaquecas, derivam do francês “migraine”, enxaqueca, mas também existe a hipótese de terem origem na palavra migrar, mudar para outro país ou região!!!...

Que bom que era termos a possibilidade de mandar migrar tudo aquilo que nos incomoda!...

......

3 comentários:

Carlos A.P.Ramos disse...

Sem querer (?), descobri este "mundo" onde descubro afinidades com as gentes do meu sítio...
Parabéns pelo estilo da palavra
C.A.R.

Bluebluesky disse...

Onde está a "continuação"?
Gosto do blog, parabéns Manuela! :)

Mirror disse...

Cheguei Manuela.. Adorei ler-te... Sentir a magia em cada recanto de cada um dos teus sentires,,, Beijo com carinho